#compartilhe

Fraude com CPF permitiu esquema de WhatsApp de Bolsonaro

Reportagem da Folha obteve relatos e documentos que mostram como o nome e CPF de idosos foi usado de maneira fraudulenta para permitir envios em massa.

Publicada em 03/12/2018, 11:32

Full pt1

esquema milionário e ilegal utilizado a favor de Jair Bolsonaro contra o PT, por meio do WhatsApp, ganhou um novo capítulo. Uma reportagem da Folha publicada neste domingo (2) revelou que uma rede de empresas usou de maneira fraudulenta o nome e CPF de idosos para registrar chips de celular e garantir o disparo em massa de mensagens.

A produtora responsável pela campanha de Bolsonaro em mídias digitais, AM4, é uma das envolvidas, por meio da subcontratada Yacows, que já havia sido apontada como responsável por disparos em massa.

Na época que a história veio à tona, ainda em outubro,  o WhatsApp bloqueou contas ligadas a quatro agências de mídia por fazerem disparos em massa: Quickmobile, Croc Services e SMS Market, além da Yacows, que atuava de maneira coligada com a Deep Marketing e Kiplix.

De acordo com o relato de um ex-funcionário que acionou a Justiça do Trabalho, as empresas cadastraram celulares com nomes, CPFs e datas de nascimento de pessoas que ignoravam o uso de seus dados. A reportagem recebeu uma relação de 10 mil nomes de pessoas nascidas de 1932 a 1953 (de 65 a 86 anos) que era distribuída pela Yacows aos operadores de disparos de mensagens.

Pela lei atual, é necessário ter um CPF cadastrado para cada chip de celular, e a agência necessitava de um grande volume de chips pois o WhatsApp trava números que enviam grandes quantidades de mensagens.

Depois que eram ativados, os chips eram usados em plataformas de disparos em massa no WhatsApp. “Cerca de 99% do que fazíamos eram campanhas políticas e 1% era para a Jequiti [marca de cosméticos]”, disse o ex-funcionário.

Conversas de WhatsApp também indicam outras práticas irregulares, como o uso de robôs para disparos em massa.

Entre os candidatos que se utilizaram das agências envolvidas na investigação, além de Bolsonaro, está Maurren Maggi (PSB), Edmir Chedid (DEM-SP) e João Leite (PSDB-MG).

TSE afirmou que a Yacows integra o polo passivo de uma ação cautelar e é investigada em outro processo.

Da redação da Agência PT de notícias, com informações da Folha

 

Fonte: pt.org.br


Veja mais

Thumb pt3

Declaração

Fachin disse que Brasil deve respeitar tratados internacionais


Thumb pt2

Esclarecimento

NOTA À IMPRENSA


Thumb pt4

Repercussão

Imprensa internacional repercute decisão do TSE contra Lula


Thumb pt

Parlamentar europeu defende liberdade de Lula em ato em Portugal


Thumb pt3

Mobilização

#EleNão: Mulheres lideram marcha de 500 mil contra o fascismo


Thumb pt5

Fake News

Sardenberg insiste em fake news sobre determinação da ONU


Thumb pt4

Apoio

Mais de 700 artistas já declaram apoio a Haddad e Manu em manifesto


Thumb pt3

Campanha

#EleNão: Famosas aderem à campanha contra Bolsonaro nas redes


Thumb pt1

Liminar

Lula requer ao TSE que reconheça seu direito de dar entrevistas


Thumb pt5

Mídia

Conferência visa construção de estratégias


Thumb geisa4

Nota

Defesa de Lula desmente fake news do Estadão sobre laudo da PF


Thumb pt15

Ameaça

LGBTs antecipam casamentos, com receio de retrocessos em 2019


Thumb pt6

Perseguição

Boulos: “Essa é uma luta de todos que defendem a democracia”


Sindicalistas criam Núcleo Pela Democracia e Contra o Golpe


Thumb twitter

Injustiça

#100DiasDeInjustiça é o assunto mais comentado no Twitter


Thumb pt4

Determinação

Decisão sobre Lula é de cumprimento obrigatório, diz advogados


Thumb pt3

TSE

Nota da coligação “O Povo Feliz de Novo” à imprensa


Thumb pt2

Homenagem

Vencedores do ‘Brasileiros do Ano’ homenageiam Lula; Doria se irrita


Thumb pt6

Ato

Brasileiros em Londres saem às ruas por Lula e contra fascismo


Thumb lula3

Veto

Juíza nega pedido da imprensa de entrevistar Lula