#compartilhe

#EleNão: Mulheres lideram marcha de 500 mil contra o fascismo

Publicada em 01/10/2018, 16:37

Full pt3

“As mulheres são a nossa voz e a nossa esperança de um Brasil justo e desenvolvido.” As palavras da candidata a vice-presidenta Manuela D’Ávila serão lembradas como parte de um dia sem precedentes na história do Brasil.

Sob a expressão de ordem #EleNão, aproximadamente 500 mil pessoas tomaram as ruas da cidade São Paulo em uma manifestação histórica liderada pelas mulheres contra o discurso de ódio e a intolerância representada pelo candidato à presidência da República, Jair Bolsonaro.

A mobilização nas ruas é resultado da organização política das mulheres, que começou nas redes sociais, com o grupo no Facebook “Mulheres Unidas Contra Bolsonaro” e a expressão #EleNão, que rompeu fronteiras, sendo usada por famosas e anônimas em diversos países do mundo.

O sol das 15h e a temperatura que se aproximava dos 30 ºC não foram empecilho para as mulheres, que chegavam em grupos por todas as ruas do entorno do Largo da Batata. Em pouco tempo o local já estava completamente tomado por homens e mulheres, com cartazes, faixas, com seus corpos e suas vozes, que em um grito único entoavam ‘ele não’. O coro foi reforçado por artistas, entre cantoras e poetas, que se revezaram no carro de som.

“É um grito em defesa da nossa pauta mínima, e o mínimo pra nós é o respeito à nossa vida, à nossa dignidade e à nossa contribuição”, reforçou Manuela D’Ávila.

A candidata saiu em marcha, com sua filha Laura nos braços, rumo à Avenida Paulista. A caminhada percorreu quase cinco quilômetros, passando pelas avenidas Faria Lima, Rebouças e Paulista.

A manifestação ganhou adeptos durante o trajeto e, para quem estava no meio, era impossível enxergar onde ela começava ou terminava. As músicas temáticas e as palavras de ordem não cessaram um minuto sequer, passando por uma variedade de cantos que perdurou por mais de cinco horas.

“Nem fraquejada, e nem do lar. A mulherada tá na rua pra lutar!”

Foi com esse espírito que a funcionária pública Patrícia Augusta saiu de casa neste dia 29 de setembro. Com lembranças de participação nas mobilizações pelas Diretas Já, levada pelos pais, e nas históricas greves sindicais do ABC Paulista, ela não se furtou de estar presente, mais uma vez, em um momento decisivo para a história do Brasil

“Ele [Bolsonaro] é o oposto de tudo que a gente entende por caráter e respeito humano. Eu acredito no povo, na rua, na liberdade e sobretudo nas mulheres, por isso não poderia deixar de estar aqui”, afirmou.

A ameaça de retrocessos representada pelo candidato do PSL é consenso entre as mulheres, como aponta a jornalista Kate Medeiros. “Ele tem um discurso que é muito cruel com relação à vida das mulheres, à comunidadeLGBT. Acredito que juntas nós podemos levar o Brasil para o status onde ele estava antes do golpe, porque corremos o risco de retroceder muito mais com ele”, declarou.

A intensa mobilização das mulheres, nas ruas e nas redes, tem refletido nas pesquisas de intenção de votos, que mostram o candidato do PSL como o mais rejeitado pelo eleitorado feminino. O último levantamento divulgado pelo Ibope na segunda-feira (24) mostra que entre as mulheres o índice de rejeição do presidenciável é de 52%.

O capitão reformado do Exército já declarou que defende a ditadura e fez elogios ao coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, que torturou, entre outras pessoas, a presidenta eleita, Dilma Rousseff. Recentemente, o vice da chapa, general Hamilton Mourão (PRTB), afirmou que famílias chefiadas só por mães e avós são “fábricas de desajustados”, o que gerou uma onda de críticas e ampliou a rejeição à chapa.

A aversão ao candidato também é corroborada pela ativista feminista Stephanie Ribeiro, que enxerga o presidenciável como um símbolo da violência.

“Nós que somos mulheres negras e estamos na base da pirâmide desse país corremos muitos riscos. Porque toda vez que nos colocamos em um lugar que as pessoas entendem que não é nosso, lidamos com a violência. Imagina viver em um país onde essa violência pode ser representada por um chefe de Estado?”, questiona.

Manifesto das Mulheres Unidas Contra Bolsonaro

A caminhada que seguiu até a Avenida Paulista chegou ao fim das proximidades do MASP, por volta das 20h30, onde foi lido pela segunda vez o ‘Manifesto das Mulheres Unidas Contra Bolsonaro’.

Em vozes alternadas, mulheres de movimentos populares que participaram da organização do ato fizeram a leitura do documento.

“Estamos, hoje, juntas e de cabeça erguida nas ruas de todo o Brasil porque um candidato à presidência do País, com um discurso fundado no ódio, na intolerância, no autoritarismo e no atraso, ameaça nossas conquistas e nossa já difícil existência”, diz um trecho do texto construído pelas mãos das mulheres.

Ao seu final, o manifesto destaca que “ele prega o ódio, nós pregamos o respeito. Ele defende a morte e a tortura, nós defendemos a vida. Por isso dizemos: ele não.”

Por Geisa Marques, da Comunicação Elas por Elas

 

Fonte: pt.org.br


Veja mais

Thumb pt3

Declaração

Fachin disse que Brasil deve respeitar tratados internacionais


Thumb pt2

Esclarecimento

NOTA À IMPRENSA


Thumb pt4

Repercussão

Imprensa internacional repercute decisão do TSE contra Lula


Thumb pt

Parlamentar europeu defende liberdade de Lula em ato em Portugal


Thumb pt5

Fake News

Sardenberg insiste em fake news sobre determinação da ONU


Thumb pt4

Apoio

Mais de 700 artistas já declaram apoio a Haddad e Manu em manifesto


Thumb pt3

Campanha

#EleNão: Famosas aderem à campanha contra Bolsonaro nas redes


Thumb pt1

Liminar

Lula requer ao TSE que reconheça seu direito de dar entrevistas


Thumb pt5

Mídia

Conferência visa construção de estratégias


Thumb geisa4

Nota

Defesa de Lula desmente fake news do Estadão sobre laudo da PF


Thumb pt15

Ameaça

LGBTs antecipam casamentos, com receio de retrocessos em 2019


Thumb pt1

Escândalo!

Fraude com CPF permitiu esquema de WhatsApp de Bolsonaro


Thumb pt6

Perseguição

Boulos: “Essa é uma luta de todos que defendem a democracia”


Sindicalistas criam Núcleo Pela Democracia e Contra o Golpe


Thumb twitter

Injustiça

#100DiasDeInjustiça é o assunto mais comentado no Twitter


Thumb pt4

Determinação

Decisão sobre Lula é de cumprimento obrigatório, diz advogados


Thumb pt3

TSE

Nota da coligação “O Povo Feliz de Novo” à imprensa


Thumb pt2

Homenagem

Vencedores do ‘Brasileiros do Ano’ homenageiam Lula; Doria se irrita


Thumb pt6

Ato

Brasileiros em Londres saem às ruas por Lula e contra fascismo


Thumb lula3

Veto

Juíza nega pedido da imprensa de entrevistar Lula